Home Blog do Willians Notícias PT vai lutar para manter o valor em R$ 600 do auxílio emergencial

PT vai lutar para manter o valor em R$ 600 do auxílio emergencial

10 min read
0
0

A Bancada do Partido dos Trabalhadores na Câmara anunciou que se opõe totalmente à redução do auxílio emergencial de R$ 600 para R$ 300 conforme prevê a proposta apresentada pelo presidente Jair Bolsonaro, nesta terça-feira (1º). Os parlamentares vão lutar no parlamento para manter até o dia 31 de dezembro o valor de R$ 600 aprovado pelo Congresso Nacional, por entender que a decisão “perversa e desumana” de Bolsonaro é um duro golpe na população que mais precisa da presença do Estado brasileiro para enfrentar as consequências da pandemia de Covid-19.

“É um absurdo cortar a renda emergencial de R$ 600 para R$ 300. Isso mostra o desrespeito que Bolsonaro tem ao nosso povo, o desrespeito com os mais pobres”, afirmou o líder da Bancada do PT na Câmara, Enio Verri (PT-PR).

“Estranhamente, ele é excessivamente ágil para cortar a renda emergencial, vetar a lei Assis Carvalho que trata da agricultura familiar e ajudar banqueiros, mas é muito lento quando é para ajudar aqueles que mais necessitam”, completou Verri.

Reservas cambiais deixadas pelo PT

O líder petista sugeriu ao ministro da Economia, Paulo Guedes, e ao próprio Bolsonaro que utilizem os lucros das reservas cambiais deixadas pelos ex-presidentes Lula e Dilma em benefício do povo.

“Graças às reservas internacionais de mais de U$ 370 bilhões deixadas pelos governos Lula e Dilma, o Banco Central teve um lucro de R$ 400 bilhões. O custo da renda emergencial de R$ 600 por mês, é de R$ 50 bilhões mensais. Portanto, só o lucro das reservas cambiais deixadas por Dilma e Lula equivale a oito meses de pagamento do auxílio emergencial”, esclareceu Verri.

O líder da Minoria na Câmara, deputado José Guimarães (PT-CE), lembrou que Bolsonaro nunca quis pagar os R$ 600 e que o auxílio emergencial aprovado pelo Congresso Nacional foi uma grande conquista do parlamento brasileiro. Bolsonaro, inicialmente, propôs R$ 200 de auxílio emergencial, mas o Congresso Nacional – a partir de proposta do PT e outros partidos da oposição, triplicou o valor. Para Guimarães, a redução de R$ 600 para R$ 300 “representa um duro golpe para as famílias que precisam da sustentação, da proteção do Estado”.

“Em tempos de pandemia, reduzir o benefício à metade é inaceitável. Esse corte vai afetar ainda mais a vida humana, a vida das pessoas que precisam do auxílio emergencial. Nós vamos lutar até o último minuto para alterar a medida provisória e garantir os R$ 600 até o final de 2020”, avisou Guimarães.

PT apoia o povo

Ao avaliar a situação, a deputada Rejane Dias (PT-PI) disse que além de lutar pela manutenção do valor inicial da renda emergencial, vai batalhar também pela aprovação de projeto da bancada do PT que prevê a prorrogação do auxílio.

“Vamos lutar para manter os R$ 600 e aprovar o projeto da nossa bancada na Câmara que prorroga o auxílio por até um ano. Só R$ 300 é pouco. O orçamento das famílias está longe disso: aluguel, contas de água e luz. A economia vai demandar mais tempo para dar sinais de reversão, por isso precisamos garantir apoio às pessoas que mais precisam”, defendeu Rejane Dias.

A parlamentar se referiu ao projeto de lei (PL 2357/20), de autoria de José Guimarães. A proposta estabelece o pagamento do auxílio emergencial enquanto durar o estado de calamidade pública instituído pelo decreto legislativo de março de 2020.

Nas redes

Pelas redes sociais, parlamentares do PT se posicionaram contra a medida provisória editada pelo governo Bolsonaro que reduz à metade o auxílio emergencial.

“A presidenta Dilma deixou US $ 380 bilhões em reservas cambiais, poupança que deveria ser usada em emergências. Portanto, reduzir o auxílio emergencial para R$ 300 é uma opção cruel de Guedes e Bolsonaro”, lembrou a deputada Luizianne Lins (PT-CE).

O deputado Henrique Fontana (PT-RS) também criticou a medida do governo. “Bolsonaro vai cortar pela metade os R$ 600 do auxílio. Não é possível que no 6º mês de pandemia o presidente continue protegendo os 42 maiores bilionários do país em detrimento dos mais pobres. Precisamos votar urgentemente o pacote tributário da oposição”, escreveu.

Governo genocida

A deputada Natália Bonavides (PT-RN) recordou que pagar o montante de R$ 600 para o auxílio emergencial nunca foi a intenção de Bolsonaro. “Agora, no momento em que o país ultrapassa 120 mil mortos e mais de 13 milhões de desempregados, ele quer reduzir o valor do auxílio. Somos contra a redução e lutaremos para manter os R$ 600”, frisou.

O deputado Helder Salomão (PT-ES) escreveu: “O governo Bolsonaro/Guedes quer a redução do valor do Auxílio Emergencial para R$ 300. Nós do PT somos contra essa proposta e vamos lutar para manter o valor de R$ 600 (que já é pouco)”.

Também pelas redes sociais o deputado Bohn Gass (PT-RS) se manifestou: “Bolsonaro corta auxílio emergencial pela metade. Agora, serão apenas R$ 300. Vou logo avisando: é insuficiente. E não esqueçam: por ele, seriam apenas R$ 200,00. Quem forçou o aumento para R$ 600 foram os partidos de oposição”, lembrou o petista.

O deputado Odair Cunha (PT-MG) lembrou-se da intenção inicial do governo federal. “Desde o início, Bolsonaro e Paulo Guedes eram contra o auxílio emergencial. Queriam apenas R$ 200. Nós, no Congresso Nacional, conseguimos aprovar o valor de R$ 600 e agora vamos lutar pela extensão desse valor até, pelo menos, dezembro”, assegurou.

Já o deputado Alencar Santana (PT-SP) escreveu: “Bolsonaro quer cortar metade do auxílio emergencial de R$ 600. Denunciei na sessão da Câmara esse absurdo e a bancada do PT na Câmara vai votar contra isso. Que Bolsonaro e Guedes cortem dos bancos”, sugeriu.

Quer mais assuntos assim?

Receba nosso boletim direto para sua caixa de entrada!

Não se preocupe, nós não enviamos spam

Carregar mais notícias
Load More In Notícias

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja

PT lança Plano de Reconstrução do Brasil

Proposta apresentada nesta segunda-feira, 21 de setembro, pelo PT e Fundação Perseu Abramo…