Home Blog do Willians Notícias 99% das escolas estaduais do governo Doria não tem enfermaria

99% das escolas estaduais do governo Doria não tem enfermaria

5 min read
0
0

Um levantamento sobre a infraestrutura das escolas da rede estadual de São Paulo indica que 99% das unidades escolares não possuem enfermaria, consultório médico ou ambulatório.

O estudo aponta ainda que 82% das escolas estaduais não têm mais de dois sanitários para uso dos estudantes.

Os dados constam de um levantamento realizado pelo IAB (Instituto de Arquitetos do Brasil) e pelo Dieese (Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos) a pedido da Apeoesp (Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo). Além do levantamento, IAB e Apeoesp divulgam hoje um “Manual técnico para escolas saudáveis”, que traz referências para a construção de espaços escolares adequados às necessidades da pandemia do coronavírus.

“Em resposta às demandas da pandemia, mas também visando a constituir um espaço permanente de apoio à saúde dentro da escola, faz-se necessário que todas as edificações tenham um ambulatório ou um espaço de acolhimento, onde possam ser realizados atendimentos de primeiros socorros e isolamento de pessoas que apresentem sintomas durante sua permanência na escola, sejam estes da covid-19 ou de quaisquer outras enfermidades”, diz o manual divulgado pelas entidades.

O levantamento aponta ainda que 11% das escolas estaduais não têm pátio, 13% não têm quadra, ginásio ou campo de futebol e 79% não possuem vestiário. Outro dado é que 48% das unidades escolares não têm sanitário acessível para pessoas com algum tipo de deficiência. Para a presidente da Apeoesp, deputada Maria Izabel Noronha (PT-SP), o levantamento “coloca em números o que nós, professores, sabemos há muito tempo: a infraestrutura das escolas da rede estadual paulista é precária”. “Isso já era extremamente prejudicial para o processo pedagógico. Agora, em plena pandemia, passou a ser perigoso”, diz.

O manual aponta ainda que, “em meio às condições adversas decorrentes da pandemia da covid-19, o olhar para as edificações escolares busca adaptações espaciais que contribuam para a não-disseminação do vírus e para a garantia de ambiências saudáveis”.

Entre as orientações gerais trazidas pelo documento, estão o distanciamento entre alunos e professores, a manutenção de portas abertas para evitar manuseio de maçanetas e promover a circulação do ar, além da realização de atividades escolares em espaços abertos, como parquinhos, pátios e quadras poliesportivas. O manual sugere ainda que sejam realizados diagnósticos de cada escola, com participação de representantes de alunos, funcionários e professores, para que seja então elaborado um plano de ação com estratégias para um retorno seguro das atividades escolares, quando for o momento adequado.

Quer mais assuntos assim?

Receba nosso boletim direto para sua caixa de entrada!

Não se preocupe, nós não enviamos spam

Carregar mais notícias
Load More In Notícias

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja

PT lança Plano de Reconstrução do Brasil

Proposta apresentada nesta segunda-feira, 21 de setembro, pelo PT e Fundação Perseu Abramo…